Egito – الإسكندرية

Sárcofago de múmia no museu de Alexandria

Sárcofago de múmia no museu de Alexandria

Ontem conversando com um colega de trabalho, falamos sobre alguns destinos que temos vontade de conhecer, um deles foi o Egito, por isso hoje vai um post sobre este exótico lugar.

Certo provérbio árabe afirma que “quem não viu o Cairo não viu o mundo”. Tremendo excesso de modéstia: o certo mesmo seria dizer “quem não viu o Egito não viu o mundo”. A lista de lugares de visita obrigatória é grandiosa: as pirâmides (claro!), o Rio Nilo, Luxor, o Templo de Abu Simbel, o Templo de Hórus, em Edfu Berço de uma das mais importantes civilizações da Antigüidade, o Egito atrai viajantes desde muito antes do nascimento de Cristo não só pelos monumentos faraônicos, mas também por sua impagável riqueza artística e arquitetônica, legado das dinastias islâmicas que se sucederam no poder ao longo dos séculos. E também de gregos, romanos, dos primeiros cristãos…
No nordeste da África, banhado ao norte pelo Mar Mediterrâneo e a leste pelo Mar Vermelho, o Egito fica bem na esquina da Ásia. Faz fronteira com a Faixa de Gaza, Israel e Líbia. Quase todo o país é desértico, menos as margens do Nilo e o seu fértil delta: 4% do mais de 1 milhão de quilômetros quadrados do território, onde se concentra quase todos os 70 milhões de habitantes a segunda maior população da África e a maior do mundo árabe. Para o povo, o rio garante água e energia e possibilita a agricultura. Para os turistas, é cenário de um dos mais fascinantes cruzeiros do mundo. Como se não bastasse, há ainda as sensacionais praias de areia branca do Mediterrâneo e os corais do Mar Vermelho, que tornam o Egito um dos melhores pontos de mergulho do mundo e tanto para arrematar o banho de cultura e história deste belíssimo lugar.

O clima é bi estacional. O inverno vai de novembro a março, e o verão de maio a setembro, separados por curtos períodos de transição. Os invernos são moderadamente frios. Em Alexandria, os limites máximo e mínimo de temperaturas médias são de 11 e 18o C, e em Assuã, de 10 e 23o C.

Alexandria e o Mar Mediterrâneo

Alexandria e o Mar Mediterrâneo

Lugares que não podem deixar de visitar:

• As pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos.
• A Esfinge.
• Um cruzeiro pelo Rio Nilo. Utilize a felluca, tradicional veleiro egípcio.
• Uma visita ao Mar Vermelho, que possui mais de mil espécies de peixes e 450 tipos de corais.
• Os recifes do Estreito de Tirana.
• Parque Nacional Marinho de Ras Muhammad, onde se pode mergulhar.
• Os templos de Luxor e Karnak, para saber sobre o passado dos faraós
• Um passeio de camelo pelo deserto.
• O Vale dos Reis, com túmulos de 64 faraós
• A represa de Assuã
• Deir el-Bahri, monumento que abriga os restos da rainha Hatshepsut
• A capital Cairo.
• O museu do Cairo.

Curiosidades sobre o Egito:

1 – Os camelos são animais retráteis. Eles ficam deitados, compactados no chão até que ordenados a se levantarem.
2 – A moeda daqui é a Libra Egípcia (Egyptian Pound), que vale mais ou menos 1/10 da Libra Esterlina (ou seja, um Real compra aproximadamente 2,5 libras Egípcias).
3 – A população local, em grande maioria pessoas que vivem logo acima da linha da pobreza, vê o turista como uma mina de ouro. Somos abordados constantemente por pessoas querendo nos vender papiros, cartões postais e almofadas, gente abrindo a porta do carro e dando instruções para estacionar, etc. A insistência deles é irritante e mancha a experiência.
4 – A coisa mais chocante aqui são as rezas durante o dia. As mesquitas têm megafones apontados para a rua, e 5 vezes por dia o som alto dos “pastores” muçulmanos professando orações invade as ruas. Os locais parecem não se importar, mas para o forasteiro, essa proximidade da indecifrável lógica árabe assusta.
5 – O final de semana aqui é sexta e sábado. Domingo todo mundo trabalha. Sexta é o dia santo para os muçulmanos.
6 – Não existem a chuva e as nuvens. Os 70 milhões de Egípcios se amontoam na beirada do Nilo, o resto do país é um grande deserto.
7 – Nas grandes festas (casamentos, formaturas) não se bebe. O islã não permite. Claro que em baladas, bares e restaurantes bebe-se normalmente e tem até uma cerveja Egípcia famosa. Mas não vende cerveja no posto de gasolina…
8 – Menos da metade das mulheres usa aquele véu, e raríssimas são as que usam a burca. Como disse o Egito “pega leve” no policiamento religioso.
9 – Apesar de haver muita pobreza, não há crime. Você pode andar por aí à noite e ninguém te incomoda.
10 – Leis de transito, semáforos e faixas de pedestre são avanços da humanidade ainda não descobertos pelo Egito. O trânsito aqui é um caos de causar fliksk a qualquer 23 de maio na hora do rush. As ruas do Cairo são um amontoado de carros, ônibus, tratores, (muitas) carroças e pedestres, cada um indo em direções diferentes sem pedir muita licença. Numa rotatória, é pé no acelerador, mão na buzina, e seja o que Alá quiser…

Luxor

Luxor

A Viajante

Hostelling International – Albergues pelo Brasil e pelo mundo

>Acredito que muitas pessoas ainda não conheçam a Hostelling International, esta empresa se define como uma associação de albergues e hostels pelo Brasil e pelo mundo, de um forma mais prática, segura, cultural e barata de se viajar.
Com cerca de mais de 3,7 milhões de associados, mas de 4 mil albergues em 70 países, 300 mil leitos e 34 milhões de pernoites em todo o mundo. A Hostelling International contribui com US$ 1,5 bilhão por ano para a economia do turismo mundial.
A filosofia desta associação é que jovens de todo o mundo conheçam, através do Hostelling International, países, cidades, culturas e costumes diferentes e aprendam a respeitar as peculiaridades de cada povo e a conviver em sociedade, contribuindo para formação do jovem. Os hostels prezam pelo espírito de amizade, o sentimento de solidariedade e o desejo de viajar. Ser alberguista é sobretudo amar a liberdade, dignificar a convivência humana e o respeito. O sucesso do alberguismo repousa na missão e na filosofia que estão enraizadas no movimento.
Nessa classificação de hospedagem (albergues) eles oferecem uma maneira diferente de hospedar, na maioria deles os quartos são compartilhados e os banheiros também, em alguns deles dividem quartos somente para mulheres e outro para homens. Todos também possuem cozinha compartilhada com todos os utensílios necessários e lavanderia.

Valor aproximado de diária em alguns albergues pelo mundo

América do Sul: Buenos Aires (U$12), Bariloche(U$12), Mendoza(U$10), Cardoba (U$), Ushuaia (U$12, ) Santigo(U$15), Montevideo ( U$13), Cuzco(U$20), Lima (U$13,50).

América do Norte: New York (U$ 40),Boston( U$ 35) Los Angeles (U$ 22), Chicago (U$36), Honolulu ( U$ 18), Philadelfia( U$ 20), S.Francisco (U$ 22), S.Diego (U$ 26),Seattle( U$25,50) Toronto (U$ 26), Vancouver (U$ 30).

Europa: Lisboa (€ 14), Barcelona (€ 24),Madrid (€ 20) Paris (€ 22), Roma (€ 19), Florença (€ 16), Veneza (€ 21), Viena (€ 19), Berlim (€ 24), Frankfurt (€ 22), Amsterdam (€31), Bruxelas(€17).Londres (£ 25), Atenas (€20), Praga (€17), Budapest (€18).

Abaixo segue foto de um quarto de albergue:
<

A Viajante

Tailândia um Sonho de Consumo

A Tailândia para muitos é um sonho de consumo, sendo um dos mais exóticos países asiáticos, a Tailândia é uma nação que mistura cores, sabores, culturas e religiões, onde a cultura ancestral se encontra com a modernidade em luxuosos hotéis e praias deslumbrantes. Com um povo extremamente simpático, o país atrai cada vez mais turistas interessados em sua rica história, gastronomia requintada e paisagens naturais misturadas aos arranha-céus das grandes cidades.
Na Tailândia o turista tem a oportunidade de conhecer, além de praias e metrópoles, ilhas badaladas, como Pukhet, e tranqüilas vilas situadas em meio a montanhas, onde vivem diferentes etnias, como as conhecidas mulheres-girafa.
A primeira visita a Bangkok pode ser determinante para se gostar ou não dessa vibrante cidade asiática.
Longe das imagens estereotipadas que os ocidentais fazem das cidades do Oriente, a capital da Tailândia é uma metrópole de quase sete milhões de habitantes, com economia bem resolvida, em contínua expansão industrial, rodeada por tráfego pesado, ar um tanto poluído, prédios altos por todos os lados, avenidas movimentadas, grandes centros comerciais e enorme movimentação de negócios.

Tailândia

Tailândia

Vistos e vacinas
Passaporte com validade mínima de seis meses é exigido para se entrar no país.
O governo tailandês é bastante flexível em questões de imigração: visitantes de 59 países, entre esses os brasileiros, podem obter vistos de entrada de 30 dias ao entrarem na Tailândia.

Fuso horário
A Tailândia tem horário adiantado 10 horas em relação ao horário oficial de Brasília.

Por que ir?
Lazer (praias, bares, night life)
Cultura (música, dança, museus, ruínas ancestrais e traços de história espalhados por todo o país)
Esportes (mergulho, trekkings e lutas marciais)
Religião (o budismo mantém milhares de templos e monastérios)
Tratamentos (massagens, terapias e spas) Artesanato (esculturas, mobiliário, sedas, tecidos, prataria e ourivesaria)
Shopping (as principais marcas européias e norte-americanas mantêm filiais tailandesas)
Culinária (os mil sabores da cozinha thai, milhares de restaurantes de todas nacionalidades, além de cursos voltados a profissionais e amadores)
Aventura (explorar reservas florestais, percorrer regiões montanhosas ou navegar pelo rio Mekong)
Estudos (cursos de línguas asiáticas ou atividades ligadas a turismo e hotelaria).

Onde ficar
Para quem viaja com orçamento menor, há literalmente milhares de opções de hospedagem, de Norte a Sul.
Aliás, a hotelaria “thai” proporciona escolhas que vão das suítes luxuosas de preços consideraveis a bangalôs simples à beira-mar e albergues.
Para quem viaja por conta própria, vale conhecer alguns sites indicadores de hotéis na Tailândia (abaixo). O Brasil está muito distante do padrão tailandês de hospedar com profissionalismo, estilo e bons serviços.
[www.asiatravel.com/thailand.html]
[www.thailandhotels.net]

Custos
A moeda tailandesa é o bath (B$). Um dólar equivale a 38 B$.
Os custos na Tailândia podem ser considerados bastante razoáveis em relação a outros destinos da Ásia, como Japão, Coréia do Sul, Hong Kong ou Taiwan.
Comer fora sempre é muito barato, mesmo em restaurantes de padrão superior. Nos locais populares e shoppings, uma refeição completa custa em média US$ 2.
Transportes aéreos, trens, barcos e ônibus também têm custos baixos. Um passe-livre de trem, com direito a 20 dias de uso por todas as linhas ferroviárias do país, pode custar a bagatela de US$ 100.
Roupas e artesanato, geralmente produtos de boa qualidade, também têm custo baixo, embora existam estabelecimentos de luxo e antiquários com preços condizentes aos produtos e raridades oferecidos.

Gorjetas
Não se deve nunca deixar gorjetas para os tailandeses, por ser considerado ofensivo.

Hotel de luxo em Koh Lanta

Hotel de luxo em Koh Lanta

A Viajante

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.